O Merchandising na Distribuição Moderna

Novas pressões sobre os CEO’s estão a forçá-los a focarem mais esforços nas capacidades comerciais. A crescente competição está a dificultar a produtividade em loja e os consumidores estão cada vez menos leais, procurando tomar as suas decisões de compra quase instantaneamente ao nível dos produtos de consumo, não sendo leais a uma única marca. Estes fatores aliados ao facto de o espaço em loja estar a diminuir como consequência da expansão crescente das linhas de produtos traz alguns desafios. 

Este panorama complexo conduz a que, em diversas instâncias, a equipa de vendas não tenha a melhor abordagem e, por isso, é importante saber como ganhar controlo da experiência em loja, e é aqui que o merchandising é relevante.

Uma boa estratégia de merchandising envolve conhecer o comportamento do consumidor em loja. Através deste estudo, é possível planear todos os aspetos a desenvolver em loja para obter os melhores resultados. A estratégia implica responder a questões como: “Que SKU’s colocar em loja? Onde colocá-los? Que promoções fazer?”, entre outras. Esta abordagem é importante para a ativação da marca e, desta forma, convencer os consumidores a comprarem.

Uma estratégia de sucesso envolve determinar os pontos críticos em loja, que necessitam de ser controlados e otimizados para ultrapassar a concorrência. No caso de produtos como as pastilhas elásticas, por exemplo, isto pode significar estarem colocadas na caixa de pagamento. Após a identificação dos pontos críticos é importante refletir acerca da atmosfera do ponto de venda. Esta influencia a perceção dos consumidores em loja, influenciando a sua decisão, sendo um dos fatores ao nível do ponto de venda que mais influencia o padrão de consumo. A disposição dos produtos, é outro fator relevante ao nível do ponto de venda. Uma boa estratégia para impulsionar as vendas é recorrer a estratégias de up-selling.

Um dos fatores mais críticos de uma estratégia de merchandising é a equipa de vendas. Para a estratégia ser bem-sucedida, é importante que a equipa de vendas seja devidamente formada nesse sentido e que esteja a par das tendências de merchandising.

A exceder dispõe de equipas de vendas altamente especializadas que atuam ao nível do ponto de venda no que concerne ao merchandising, obtendo sempre excelentes resultados.

Ruturas e agora?

No artigo anterior referimos as causas mais comuns para a ocorrência de ruturas, se não conseguiu evitar que essas ocorressem, este artigo é para si!

Nos casos em que as ruturas ocorrem parece óbvio que a solução seria aumentar o stock de segurança pois, hipoteticamente, se há mais stock de segurança haverá menos riscos de ruturas. Contudo, isto não é necessariamente verídico, aumentar o stock de segurança não implica, necessariamente, um decréscimo a nível das ruturas. Aumentar os níveis de inventário é uma “solução” rápida para um problema maior no âmbito da gestão de inventários. É necessário avaliar os processos da empresa e verificar a falhas ao nível da cadeia de abastecimento.

Aqui, damos 4 dicas para ajudar a diminuir as ruturas:

1.Eliminar incerteza

Um dos maiores contribuidores para as ruturas é a incerteza relacionada com tempos de aprovisionamento longos e com a previsão inadequada da procura. Tempos de aprovisionamento mais curtos melhoram a eficiência da empresa na medida em que permite um recebimento e envio de pedidos mais rápido. Além disso, reduz a quantidade de inventário necessária, poupando custos de manter excesso de stock. A previsão de procura também ajuda a reduzir as ruturas, pois a previsão de procura a curto-prazo proporcionar-lhe-á melhores previsões da procura aumentando a precisão da empresa ao encomendar stock. 

2. Gestão de Inventário

Ter controlo do inventário é crucial para se salvaguardar das ruturas. É de extrema relevância ter um sistema de gestão de inventáios que lhe proporcione a visibilidade dos níveis de inventário de forma a que possa determinar quando há necessidade de reabastecimento.

3. Planeamento de Produção

O planeamento da produção é uma componente importante ao nível das ruturas que é, diversas vezes, ignorada. O agendamento assegura que não irão ocorrer falhas no fluxo das linhas de produto. Desequilíbrios ao nível da produção dificultam a produtividade e performance da empresa. Identificar e prevenir, ativamente, estas questões diminui as ineficiências que podem causar ruturas.

4. Métricas de performance

As métricas de performance podem ajudar a melhorar a experiência do consumidor, eficiência, rentabilidade e a performance geral da empresa. A empresa deve identificar que métricas quer priorizar de modo a que sejam efetuadas melhorias nas áreas mais fracas do ciclo de produção, assegurando-se que as métricas em que se está a focar não estão a contribuir para as ruturas.

Como ser produtivo no trabalho?

O dia tem 24 horas e, por isso, é importante aproveitar ao máximo. Por vezes, chegamos ao fim do dia insatisfeitos pelo facto de não termos feito tudo o que pretendíamos. Porque é que isto acontece? Os motivos são variados, o foco em falhanços, má gestão de prioridades…enfim uma panóplia de possibilidades. Revê-se neste cenário? Não desespere! Estamos aqui para ajudar 

Como a vida não é só trabalho, é preciso conseguir obter o máximo de produtividade durante um dia de trabalho, a fim de se evitar as tais horas extraordinárias, sugerimos aqui 5 dicas:

1.Priorizar as tarefas

Uma boa dica para aumentar a produtividade é gerir a prioridade das tarefas. Para tal, pode-se dividir as tarefas em categorias: crítica, importante, mais tarde e mais cedo. A categoria crítica, tal como o próprio nome indica, é a mais urgente, ou seja, é tudo o que tem de ser feito hoje ou não se pode sair do trabalho. As tarefas importantes são aquelas que se têm de fazer nos próximos dias ou sofre-se uma consequência, como perder dinheiro, por exemplo, e ninguém gosta de perder dinheiro. As restantes tarefas, posteriormente, são categorizadas como a serem realizadas mais cedo ou mais tarde.

2. Reduzir as multi-tarefas

Estamos na era do multi-tasking mas, por vezes, fazer mais do que uma tarefa ao mesmo tempo  pode ser mais prejudicial do que benéfico. Estudos recentes demonstram que pessoas que tentam fazer duas ou mais tarefas em simultâneo acabam por se distrair e prejudicar o desempenho no trabalho, por isso, cuidado com as multi-tarefas. A melhor solução é terminar uma tarefa e siga para a outra!

3. Manter uma lista de tudo o que está em espera

Através de uma lista de tudo o que está em espera, asseguramo-nos de que nada importante nos irá escapar e assim não terá que se preocupar com as pessoas de quem está a depender e poderá focar-se nas suas tarefas.

4. Peça ajuda

A ajuda é algo que todos precisamos alguma vez na vida. A nível profissional, é essencial pedir ajuda, muitas vezes sentimos que não temos confiança suficiente ou, de certa forma, minimizados por estarmos a pedir ajuda aos colegas. É preciso ultrapassar estas barreiras, por isso esqueça essas ideias! Há tarefas que têm uma dimensão significativa e que são mais complexas, exigindo mais do que uma pessoa e, neste sentido, é importante trabalhar em equipa. Facilite a sua vida e peça ajuda!

5. Foque-se nos pontos positivos

Errar, todos erramos, mas não nos podemos focar única e exclusivamente nisso, é prejudicial ao nosso desempenho e afeta-nos ao nível da produtividade. Pode parecer algo simples, mas na verdade, ser mais positivo aumenta a produtividade. Foque-se em todas as vezes que contribuiu para a sua equipa de forma positiva, de certeza que são mais do que imagina. É simples, seja positivo, aumente o seu astral e a sua produtividade irá disparar!

Diagnóstico de Vendas

O diagnóstico de vendas é, muitas vezes, visto como apenas compreender os problemas dos potenciais clientes de forma a se conseguir desenvolver uma solução adequada. A realidade é que o diagnóstico de vendas é muito mais do que isso, é uma ferramenta que auxilia na construção de lealdade, ao participar no desenvolvimento de uma solução em conjunto com o potencial cliente.

É importante reter que não se deve vender uma solução sem perceber o que o potencial cliente necessita e, portanto, sem fazer o diagnóstico mais apropriado. A fase de diagnóstico é uma das mais relevantes. Porquê? Porque é nesta etapa que se ganha ou perde um cliente. O potencial cliente tem que sentir que a visão do que ele pretende está de acordo com o que o vendedor lhe pode proporcionar e, é neste sentido, que fazer um diagnóstico detalhado é uma mais valia e, em grande parte das vezes, um deal breaker.

Infelizmente, muitos vendedores não têm um desempenho tão satisfatório nesta fase. Estes estão mais focados em vender uma solução que têm pré-definida em vez de venderem a solução que o cliente precisa. Às vezes é preciso fazer uma adaptação às necessidades dos potenciais clientes, sendo que isto é possível através de um diagnóstico preciso.

O que é que é então necessário para fazer um diagonóstico adequado?

Para fazer o diagnóstico apropriado e com valor para o potencial cliente é necessário fazer algumas questões. Devemos fazer questões abertas, de controlo e confirmatórias, as respostas a estas questões vão ajudar a obter uma maior compreensão acerca do que passa efetivamente com o negócio do cliente assim como detetar oportunidades que podiam ter sido aproveitadas.

As questões abertas permitem que o potencial cliente fale abertamente sobre o problema em questão. Estas questões são, normalmente, confortáveis para o inquirido, não sendo, de todo, intrusivas.

As questões de controlo visam obter informação em falta que lhe ajudará a ir na direção que o potencial comprador pretende. Normalmente envolvem perguntar detalhes quantitativos, por exemplo, se tem um problema de rupturas, pode ser questionado “quão frequentemente?”, à qual o potencial cliente irá responder com uma resposta exata.

As questões confirmatórias têm como objetivo verificar se o vendedor e o potencial cliente estão em sintonia acerca do que é pretendido e sobre a raiz do problema. Neste caso podem haver questões como “então o problema é…”, que permitirão compreender se a ideia da problemática existente por parte do potencial cliente está em sintonia com a sua visão.

A exceder faz diagnósticos detalhados acerca das necessidades dos seus clientes e potenciais clientes, visando sempre obter a melhor solução para o cliente e a satisfação total do mesmo, adaptando as soluções às necessidades sempre que necessário.

Linkedin: Erros fatais vs Must do

O Linkedin é, hoje em dia, muito mais do que uma rede social, é uma complexa rede de contactos profissionais, quer do lado de quem procura emprego, quer do lado dos recrutadores. Mas não se fica por aí.

Mesmo com um trabalho estável, a presença no Linkedin é uma maneira eficaz de nos ligarmos profissionalmente com o mundo, de evidenciarmos as nossas competências num mercado de trabalho altamente competitivo. Seja de que área for, seja qual for o seu cargo, é importante que lá esteja pois é uma ferramenta que permite comunicar com potenciais empregados e empregadores. Todos nós, profissionais ou desempregados à procura de trabalho podemos e devemos ter um perfil, no entanto há erros a evitar. Erros fatais!

Vamos então desvendar alguns desses erros mais críticos, bem como pontos que devemos explorar melhor.

ERROS

Linkedin, não Facebook!

A única coisa em comum…é a cor! Cuidado, não caia no erro de usar o Linkedin como se fosse o Facebook. Cada um com as suas funcionalidades Não domina? Não invente…Tire algum tempo para aprender a usufruir desta ferramenta. Cuidado com o que partilha. Partilhe assuntos sérios, que interessem profissionalmente, não pessoalmente. Evite comentários negativos, opiniões políticas, futebolísticas e críticas impulsivas – tenha em mente que são pessoas que um dia poderão vir a cruzar-se consigo no mercado de trabalho!

“Amigo”? Sim. Todos? Não!

Agora que já tem um perfil e que já sabe como começar a criar e a expandir a sua rede profissional é fácil. Só precisa de não inventar e seguir os conselhos de quem sabe! Não queremos uma rede cheia de pessoas aleatórias. Aqui a ideia não é “tudo o que vem à rede é peixe”. Convidar toda a gente sem critério para se juntar à sua rede não é uma vantagem, pelo contrário. Se tiver muitos convites rejeitados o Linkedin pode limitar o próprio envio de convites, por isso seja criterioso e aposte na qualidade das conexões.

Convite (sem ser personalizado)

Se de facto for uma pessoa com quem trabalhe, ok. Caso contrário será muito mais provável que um desconhecido aceite o seu convite, se a mensagem for personalizada, a explicar o porquê do convite. O ideal será apresentar-se: dizer quem é, como encontrou essa pessoa e o porquê de se querer conectar com ela. Seja educado e simpático, espere uma resposta.

Ai as pressas…

Como quem diz, não se precipite. Claro que é gratificante quando alguém com quem gostaríamos de trabalhar aceita o nosso convite rapidamente, mesmo não nos conhecendo pessoalmente, mas não caia no erro de enviar uma mensagem assim que isso acontecer. Primeiro, essa pessoa pode não ser quem recruta. Segundo não fica bem mandar uma mensagem a correr a pedir trabalho. Espere pelo momento certo!

Cabeçalho confuso (ou sem informação)

Esta é, geralmente, a primeira coisa que as pessoas vêem no seu perfil. Deve dizer o que faz e o que gostava de fazer (caso não coincidam). Funciona quase como um cartão-de-visita, pelo que se deve preocupar em deixar uma boa primeira impressão. Não se esqueça da importância da primeira impressão (já vamos à fotografia de perfil e de capa).

Fotografia desadequada

É um dos pontos essenciais do Linkedin, fundamentalmente por ser a sua “imagem de marca”. Este é um ponto que nos preocupa porque os erros neste campo são muitos. Ora…numa rede profissional a ideia é ter uma fotografia…profissional! Deixe as pessoais para o Facebook ou para o Instagram. A sua fotografia de perfil deve representar o seu empenho e dedicação. Ter fotografia representa mais visualizações no seu perfil, mas atenção aos erros:

  • Fotografia com o cônjuge (aiaiai)
  • Fotografia com amigos
  • Fotografia com copos na mão, cigarros, entre outros
  • Fotografia em festas, discotecas, bares, praia, a passear…bem, já deve ter percebido a ideia.

Ideal: fotografia de rosto, ou até à cintura máximo (corpo inteiro não se vê bem a cara e é na cara que está o ar confiante) com um ar profissional, com roupa adequada. Faça uma pesquisa por empresa e tente perceber o tipo de fotografia a colocar no perfil, antes de fazer asneira!

COMO POTENCIAR O SEU PERFIL

Fotografia de capa

Mais uma vez, não deixe de usar as potencialidades que o Linkedin lhe proporciona e enriqueça o seu perfil. Agora pode escolher uma imagem para a sua capa (tal como no Facebook), mas a sua dimensão tem de ser grande o suficiente para que não fique deformada.

Coloque algo que esteja relacionado com a empresa para a qual trabalha, uma frase de motivação profissional, uma imagem padrão com as cores da empresa, são só algumas ideias (pesquise exemplos!).

Competências

É muito importante adicionar competências, uma vez que quem recruta procura competências específicas. Mas não invente, se não faz ideia do que é marketing, não adicione só porque dá bom aspeto! Comece com cinco. Posteriormente as pessoas também vão começar a recomendar competências adicionais.

Use a pesquisa avançada

A pesquisa avançada funciona, e bem! Use e abuse, aprenda a dominar esta ferramenta que é tão pouco utilizada. Ela vai-lhe dar uma ideia da estrutura das empresas que lhe interessam, pode encontrar contactos importante e criar ligações fundamentais. Não se esqueça de personalizar os convites!

Siga empresas

Está interessado em encontrar trabalho numa determinada empresa? Então siga a sua página, conheça bem o seu perfil, siga as notícias, participe em discussões. Fundamental estar de algum modo conectado com a empresa em questão.

 Insira-se no setor

Seguir as empresas nas quais pretende trabalhar é importante. Inserir-se no setor em que trabalha ou em quer trabalhar, é ainda mais! Demonstra interesse e proatividade. Siga grupos, comente, partilhe. Quanto mais souber sobre o seu setor, melhor!

 

A exceder tem um trabalho de muito intensivo no que diz respeito à aos Recursos Humanos.

Valorizamos perfis adequados, sinceros e simples, sem grandes floreados ou invenções. Queremos saber o que cada pessoa faz e o que gostava de fazer, pois estes dois factos nem sempre coincidem, então nesse caso pode ser que consigamos ter um papel ativo e ajudar nessa busca.

 

 

 

Outsourcing? Porquê?

OUTSOURCING : é o ato de delegar uma determinada área de negócio de uma empresa a uma entidade externa. Este tipo de contratação de serviços tem benefícios a nível de custos, eficiência, inovação dos serviços, entre outros que veremos mais à frente.

Abordamos este tema, não só porque somos uma empresa prestadora de serviços na área de gestão de vendas, mas também porque é um conceito de que ouvimos falar com grande frequência. Todos temos conhecimento de grandes empresas com sedes na Europa, por exemplo, e que contratam serviços de outsourcing em países onde os custos são consideravelmente mais baixos – estamos a falar de grandes empresas. Mas e as pequenas e médias empresas? Também beneficiam deste tipo de serviços?

Uma das principais razões que levam pequenas e médias empresas a investir num serviço de outsourcing é a redução de custos. Reduzir custos, permite uma maior margem de manobra e pode mesmo fazer com que se consiga baixar os preços dos produtos e ainda ganhar vantagem competitiva de vendas.

A flexibilidade inerente ao processo (a qual já desenvolvemos mais à frente) é outra vantagem bastante aliciante para este tipo de empresas pois permite começar e acabar projetos com a rapidez de que precisam, sem perder tempo com recrutamento e seleção, com a gestão contratações, formação, etc. Os riscos e consequências inerentes ao processo estão do lado do prestador de serviços, o que significa menos preocupações.

O outsourcing proporciona a empresas pequenas, vantagens que as grandes empresas já têm. Quando o volume de trabalho de pequenas empresas começa a ser demasiado para o suportarem sozinhas, o crescimento torna-se difícil. Recorrer ao outsourcing permite expandir a sua área de negócio sem um aumento considerável nos custos.

Então porquê outsourcing?

Redução de custos

Os custos inerentes ao processo laboral e operacional são mais acessíveis e não necessitam de um grande envolvimento dos quadros da empresa. Quando devidamente implementado, traduz-se em poupanças significativas para a empresa e também em serviços mais eficazes devido à sua especialização (se pesarmos o mesmo cenário mas sem recorrer a um serviço externo). O facto de contratar uma equipa externa significa também que não vai precisar de investir em material tecnológico e de escritório.

Recursos

Uma empresa especialista numa área específica, tem todos os equipamentos e know-how para levar a cabo o trabalho a que se propõe. Logo, isto poderá permitir à empresa ter acesso a recursos fundamentais que não existiam internamente e cujos custos de implementação, de outra forma, não seriam viáveis (sistemas por exemplo).

Responsabilidade

Ao contratar um serviço externo, estamos automaticamente a delegar responsabilidades a outra entidade, ficando a empresa livre de responsabilidades acrescidas inerentes à gestão e controlo de um departamento. Menos preocupações permitem também canalizar a concentração para o que é mais importante.

Foco

O facto de contratar um serviço externo permite que os colaboradores foquem a sua atenção no essencial, sem preocupações. Este facto revela uma melhoria no workflow e permite que os gestores terminem os projetos de maior importância com maior rapidez, sem preocupações e distrações acrescidas.

Expansão

No caso de empresas mais pequenas, o outsourcing (devido à forte especialização que esse serviço detém) permite-lhes expandir com maior rapidez e ter acesso a novas áreas de mercado menos intuitivas e mais difíceis de conquistar.

Flexibilidade

Como bem sabemos Portugal é o país dos processos e burocracias. Essas etapas ficam do lado do prestador de serviços, poupando tempo, dinheiro e risco pois a adaptação é mais rápida e eficaz. O outsourcing contribui para uma maior flexibilidade e adaptação do negócio ao mercado.

Especialização

O trabalho, o tempo, o dinheiro e o envolvimento adjacentes à criação de um departamento, muitas vezes não compensa, principalmente se for um departamento demasiado especializado. Pode levar semanas, meses, ainda tem de contratar, formar…ao contratar um serviço de outsourcing vai direito à meta, sem ter de correr. Também tem custos (menores), mas não tem preocupações e o envolvimento dos quadros passa apenas pelo essencial.

 Melhores serviços

O facto de recorrer aos serviços de uma empresa externa pode (e deve) melhorar os serviços para os quais é contratada. Normalmente, são áreas muito específicas que requerem experiência no mercado. É isso que se pretende contratar. Um serviço especializado, de excelência, cuja equipa seja experiente e proporcione inputs que compensem o gasto.

Infraestruturas

A equipa aumenta, mas o espaço que ocupa não. Tem um escritório pequeno e não quer mudar de instalações de modo a poder manter os gastos, o outsourcing resolve o problema, pois já tem as suas próprias instalações e equipamentos. Esta constitui mais uma medida que lhe permite poupar dinheiro para investir noutras áreas de maior importância.

 Apesar destas e de outras vantagens do outsourcing, esta é uma área em que a informação e comunicação são fundamentais para o sucesso da mesma.

Logo, deve sempre participar e proporcionar todos os dados relevantes para a área em questão à empresa que pretende contratar. Crie uma boa relação, com base na confiança duradoura, e nós tratamos do resto! 

 

Colaboradores dedicados | Como aumentar o seu compromisso?

A globalização é um fenómeno relativamente recente que veio revolucionar as nossas vidas, quer a nível pessoal quer a nível profissional. Com a globalização (e também através dela) chegou a Era Digital. Nós, mais velhos, tivemos que que passar por um processo de aprendizagem e adaptação a este novo mundo. Mas os mais novos já cresceram com ela, tudo é intuitivo e fácil. Não há dúvidas nem complicações, não vão perguntar aos pais, vão explicar aos pais…

Profissionalmente, podíamos escrever um livro só sobre as vantagens e desvantagens da Era Digital nos negócios. Mas vamos focar no essencial para este artigo. Portas abriram-se, com elas vieram as oportunidades. Mas um desafio ficou no ar…como podemos ser uma empresa competitiva e que atraia recursos com potencial? Uma vez que consiga encontrar a pessoa certa… como fazer com que ela queira ficar?  As motivações vão evoluindo, temos de evoluir com elas.

Partilhamos neste post 6 passos no caminho para o sucesso no que diz respeito à contratação e retenção de talentos:

Cultura empresarial

Antes de dar a conhecer a sua empresa ao mundo deve, antes de mais, ter uma cultural empresarial estruturada e sólida. Pontos fundamentais como a missão, visão, valores, têm de ser partilhados. Outros pontos fundamentais que vão ao encontro do que as pessoas procuram numa empresa são os objetivos de negócio, a situação atual da empresa. Toda esta informação tem de estar atualizada e tem de ir ao encontro do que realmente se passa na empresa.

Transparência

Trabalhada a cultura empresarial é fundamental não esquecer que não pode comunicar que a empresa se rege por uma missão se os seus colaboradores não a conhecem. Tem de comunicar externa e internamente. Agora a questão é…com que imagem? A imagem que quer passar tem de ser coerente com os conteúdos que partilha. Ou seja, a transparência é essencial para que esta relação resulte. Isto porque se contrata alguém, e a experiência de trabalho não está de acordo com o que lhe foi “vendido”, vai perder o talento que acabou de entrar. Mostre orgulhosamente como é trabalhar na sua empresa. As instalações, o ambiente de trabalho, a equipa…Tudo o que comunique cultura organizacional. Ao partilhar mostra que tem orgulho na empresa. Todos querem trabalhar numa empresa em que a equipa veste a camisola, é sinal que estão contentes com o trabalho.

The One


Há muitas maneiras de chegar até à pessoa certa para um determinado cargo. Dois métodos de pesquisa que não deve descartar são as redes sociais e os seus atuais colaboradores. A recomendação de alguém que já trabalhou com um candidato e que conhece o seu potencial  na prática pode-lhe poupar meses de busca.

Primeiro contacto


Da mesma maneira que não espera que o discurso do seu potencial colaborador seja mecânico e igual ao de tantos outros, o seu também não deverá ser. A entrevista deverá ser descontraída para que possa avaliar certos elementos que de outra forma não será possível avaliar. Seja sincero em relação às expectativas que tem para com o candidato para que ele possa perceber se vão ao encontro das expectativas dele.

Da mesma forma que está a avaliar, também o candidato está a avaliar se esta é uma empresa em que gostava de trabalhar, nunca se esqueça disso e mantenha sempre presente as características diferenciadoras da sua empresa. o que tem para lhe oferecer que as outras empresas não têm?

Equipa


Se os seus colaboradores são importantes para si, envolva-os num sentimento de pertença. Por exemplo, comemore ocasiões como os aniversário, a antiguidade, a maternidade/ paternidade, convide-os  para eventos corporativos, festas de Natal entre tantas coisas mais que podem ser feitas. Nunca se esqueça de que os seus colaboradores passam mais horas a trabalhar do que em casa, por isso a empresa deve ser uma espécie de segunda família/ casa.

 Remuneração

O dinheiro não é a única motivação dos seus colaboradores, já vimos alguns pontos que influenciam bastante o bem-estar e motivação de quem passa o dia a trabalhar. Mas, ainda assim, tem alguma influência. Deve ser adequado à quantidade, qualidade e responsabilidade inerentes à função respetiva.

O que também pode ajudar e que não implica diretamente um aumento salarial é a formação, o acesso a um seguro de saúde, dispositivos móveis, entre outros.

A retenção dos seus colaboradores passa em grande medida por fazer com que eles se sintam contentes com as funções que desempenham, motivados e totalmente integrados e confortáveis com a equipa.

 

Este é um desafio diário na exceder. Trabalhamos diariamente para criar profissionais motivados e competentes, quer eles fiquem ou não na empresa. O importante é manter a qualidade das equipas e fazer parte de um percurso de sucesso.

 

Que o colaborador que entra hoje na exceder tenha orgulho e projete esse mesmo orgulho em cada uma das suas vendas!

 

 

PROTOCOLO NOS NEGÓCIOS | 13 regras básicas

Quer se queira, quer não, a primeira impressão tem um impacto crucial e o convívio profissional implica regras. A essas regras chamamos protocolo empresarial e influenciam não só a primeira impressão, como todo o comportamento profissional. Sempre que vamos ao cliente estamos a representar a nossa empresa, deste modo estas normas de actuação influenciam a percepção da imagem da empresa, por parte do cliente – se as cumprirmos, a empresa vai passar uma imagem de rigor, determinação, educação, factores que podem ser decisivos no momento de fechar uma venda. Pode fazer a diferença!

A exceder tem uma equipa com excelente formação, cumpridora e preocupada, com noção da influência que estes factores podem ter no cliente. Desde a maneira como um vendedor vai vestido para uma reunião, ao simples aperto de mão firme ao cliente, nada nos passa ao lado! Por este motivo, decidimos ajudar quem não se sente confiante em situações profissionais formais, podendo também aplicá-las à vida pessoal. Aqui ficam 13 regras fundamentais:

Apresentação

vendas-directas-1

1ª Levante-se | SEMPRE que é apresentado a alguém, levante-se! Ao levantar-se faz sentir a sua presença – se não se levantar vai mais facilmente passar despercebido e o cliente desiste facilmente.

2ª Cumprimento | Se for hierarquicamente superior, ou se for o anfitrião (independentemente do género), inicie o aperto de mão com confiança e firmeza, é o que esperam de si.

3ª Nome | Diga sempre o seu primeiro e último nome, de forma articulada e com boa entoação, de maneira a que a pessoa oiça à primeira. Por vezes, mesmo quando o fazemos com clareza, as pessoas esquecem-se ou estão distraídas e não percebem…bem, você também é uma pessoa. Se isto lhe acontecer não tenha vergonha de dizer “desculpe, pode repetir?”, ou “desculpe, mas esqueci-me do seu nome, pode repetir?”. Ficar na ignorância é muito pior, uma vez que poderá ter de apresentar essa pessoa a alguém. 

Dresscode

pexels-photo-29642

4ª Roupa | Vista-se de maneira adequada, nem demais, nem de menos. É fundamental no que diz respeito à comunicação não-verbal. A maneira como nos apresentamos visualmente pode influenciar a reputação ou mesmo tirar credibilidade, por melhor vendedor que seja.

Agradeça, mas não demais

light-sign-typography-lighting

5ª Confiança | Se disser “obrigado” muitas vezes durante uma conversa, a palavra vai perder a credibilidade e a intensão inicial dilui-se – além de que o faz parecer inseguro e carente. Não repita mais do que 2 vezes.

Telefone sempre, mas no bolso

pexels-photo-40692

6ª Telemóveis | TODOS, – principalmente quem trabalha em vendas, – andamos com o telemóvel sempre à mão, para todo o lado. Mas quando está no cliente esqueça a mão. Todos os assuntos pendentes são resolvidos antes da reunião, ou depois! Durante é que não, foque toda a sua atenção no cliente.

Tecnologias do dia-a-dia

pexels-photo-59497

7ª LinkedIn | Pode parecer uma rede social super funcional, e é, mas é profissional! Portanto adeqúe a sua fotografia e perfil ao sector em questão. Destaque-se pela positiva como sendo uma pessoa séria, credível,  acessível e transparente. Evite fotografias desfocadas, de perfil, com decote e com muita maquilhagem (no caso das senhoras), a rir demasiado, t-shirts, corpo inteiro (a cara é o que deve sobressair).

8ª E-mail pessoal | E na procura de trabalho? Envie currículos para as empresas pretendidas, mas atenção…não vai querer ser a chacota da empresa ainda antes de lá pôr os pés. Se quer passar uma imagem de credibilidade, comece por esquecer a sua conta antiga caso esta tenha uma morada com um nome infantil, alcunha, clube de futebol, entre outros, e escolha um e-mail com um tom profissional (primeiro e último nome, iniciais do nome, primeira inicial seguida de ponto e apelido, etc).

9ª E-mail profissional | Se está a enviar um e-mail para um cliente tenha muita atenção ao tom com que o faz. A saudação deve ser sempre cordial. Reveja SEMPRE o destinatário do e-mail que está a enviar. Por vezes basta não carregar bem no rato e lá aparece outro contacto. Muito cuidado!

No trabalho

pexels-photo-1          

10ª Educação | Seja educado e simpático para todos. Diga sempre bom dia, conheça ou não a pessoa.

11ª Apontar | Pode apontar sim, mas de mão aberta (com os dedos juntos). Ou seja, aponte com a mão como se estivesse a demonstrar alguma coisa. Apontar com o dedo indicador transmite agressividade.

12ª Pontualidade | Seja pontual! Não se chega atrasado a reuniões, pois não queremos parecer desleixados aos olhos do cliente, seja por que motivo for. Mais vale ter a certeza que chega um pouco antes e assim até tem tempo para tomar um café com calma.

13ª Seriedade | NUNCA beba demais em situações de trabalho, reuniões, ou mesmo festas de empresa. Carreiras já foram destruídas por menos, pois as pessoas tendem a ficar demasiado confiantes ou arrogantes e acabam por dizer tudo o e que querem…e não querem!

 

 

 

 

 

VENDAS | 10 dicas para se manter motivado

blog.jpg

Numa altura em que quase toda a gente está a voltar do seu merecido descanso, pomo-nos a pensar na motivação nestes períodos de paragem. Nem todos reagimos do mesmo modo, há quem volte super motivado depois de umas boas férias e também há quem queira adiantar o máximo de trabalho possível antes das férias, de modo a poder descansar sem ficar a pensar se deixou algum ponto importante para trás…mas a tendência é haver quebras motivacionais exactamente antes e depois das férias.

Quando as férias estão a chegar, não é fácil manter o foco no trabalho, queremos planear a viagem até ao último detalhe, cada vez que ligamos o computador lá aparece uma dica e quando damos por nós já não estamos a ser produtivos e, ao sentir isso, ficamos desmotivados para o trabalho e motivados para as tão desejadas férias. Conselho? Concentre-se, vai ter tempo para descansar, dê o litro nos últimos dias e viage descansado e sem remorsos.

Na exceder queremos sempre vendedores motivados e focados nos objectivos. Este período de férias é um ponto que temos sempre em conta. Então, no sentido de ajudar os nossos colaboradores a recuperar a energia fundamental para voltar à produtividade diária, deixamos aqui 12 dicas práticas de motivação para aplicar diariamente:

Deitar cedo e cedo erguer

blog-acordar

Acorde cedo, volte à rotina! Acordar cedo e com tempo permite fazer tudo com calma. Tome um banho e relaxe, sente-se à mesa, leia o jornal, converse com a família. Começar o dia com calma é muito importante para ter uma manhã produtiva. Evite acordar tarde e em stress!

Pequeno-Almoço

blog-pa-2

Para um dia produtivo (tendo em conta que cumpriu a primeira dica) nada como um bom pequeno-almoço, nutritivo e saciante. Sente-se com calma e aproveite esta refeição que vai ser a mais descontraída e regeneradora. Veja algumas ideias para um pequeno-almoço saudável e completo: (http://aminhadieta.com/artigos/18-sugestoes-para-pequeno-almoco-saudavel)

No caminho

blog-no-caminho

Aproveite as viagens até ao seu local de trabalho para descontrair. Não pense (ainda) no trabalho. Oiça a sua música ou aqueles programas na rádio que o deixam a rir sozinho. Isto vai ajudar a entrar no trabalho com um sorriso na cara e uma atitude positiva, em vez do ar de quem caiu da cama.

Planeamento

blog-planeamento

Antes de chegar ao cliente, uma vez que no caminho veio a descontrair, planifique o seu dia de trabalho. Calendarize e defina objectivos (atingíveis) e comece por aquelas tarefas que trazem resultados positivos mais rapidamente. Concentre-se no plano, mas mantenha sempre uma certa flexibilidade, pois a equipa também enriquece o seu trabalho!

Foco

blog-foco

Mantenha o foco no plano que traçou. Será que está a gerir o seu tempo de maneira a que seja canalizado apenas para o que realmente lhe traz resultados? Seja eficaz, mantenha a sua atenção nas vendas e em como as potenciar.

Ritmo

blog-ritmo

Cada um tem o seu ritmo – cliché, mas uma frase muito assertiva. Descubra o seu. Não é preciso, nem conveniente, que assuma várias tarefas ao mesmo tempo. Não é isso que o vai tornar mais produtivo, pelo contrário, os erros vão surgir. São esses erros que, por vezes, nos fazem perder vendas. Tarefa em tarefa, chegamos lá!

Teamwork

blog-teamwork

A equipa está lá para ajudar. Não tenha medo de recorrer. Participe, perceba as vantagens do trabalho em equipa. Juntos, trabalham mais depressa no cumprimento de objectivos comuns e da empresa. Partilhe as suas conquistas, motivando os outros vendedores a atingir resultados. Vai receber feedback positivo e negativo, que é fundamental para melhorar o seu desempenho e ajudá-lo a ser cada vez mais eficaz.

Atitude

blog-atitude

Mantenha a energia positiva que conquistou de manhã. A atitude positiva contagia! Puxe pelos seus colegas mais negativos, divirta-se com a equipa! É a melhor maneira que há para chegar a casa à noite bem-disposto, o que é fundamental na sua relação familiar.

 Workout

blog-workout

Lá porque chega fisicamente cansado a casa…não é desculpa! Faça exercício! Vai custar os primeiros dias. Mas é fundamental por diversas razões – reduz o stress, aumenta a resistência, ajuda a corrigir a postura no escritório, obriga-o a alongar (logo ajuda também os músculos a relaxar), emagrece…algum ponto negativo? O dinheiro? Acredite que o que vai gastar em dinheiro, reverte-se em saúde.

Descanso do rei

blog-descanse

Descanse…mas não exagere! Faça coisas. Não abuse do descanso, é por isso que dormimos à noite. Durante o dia seja produtivo, faça coisas diferentes, vá a sítios onde nunca foi, experimente um restaurante novo, passeie…estas actividades vão torná-lo mais positivo e vai-se sentir mais vivo!

Amanhã é um óptimo dia para pôr em prática, experimente!

Reuniões de Vendedores

Reuniões de vendedores

MOTIVAÇÃO, TREINO, AVALIAÇÃO e METAS. Estes são os propósitos essenciais das reuniões de vendedores. Avaliar resultados, definir metas e trabalhar a motivaçã0 e técnica dos profissionais de vendas.

A preparação das reuniões: Estas reuniões (quinzenais ou mensais) são geralmente geridas pelo diretor de área/canal comercial. Este deve investir tempo na preparação da reunião e ter os temas a debater bem definidos para evitar a tendência a desviar o tema do foco principal. Não se pode desperdiçar tempo nem energia dos participantes! Não se esqueça de enviar uma agenda antes da reunião de modo a que todos os intervenientes saibam os assuntos a serem tratados e para que eles se possam também preparar para a reunião.

Evitar o negativismo: A reunião de vendedores é uma atividade de grupo. São feitos todos os esforços para melhorar os resultados e a performance de todos, e não de um vendedor em específico. Atualmente, os vendedores enfrentam dias complicados para fazer novos negócios. É necessário evitar denegrir a moral dos vendedores por não atingirem os resultados desejados. Estas reuniões devem estar focadas em ajudar a equipa toda a vender mais; rever as condições do mercado em que atuam; apresentar novos serviços ou produtos de forma genérica; apresentar uma nova forma de prospeção de novos clientes; fazer perguntas; rever o discurso utilizado; rever aspetos que possam melhorar todo o ciclo de vendas; e todo o tipo de conteúdo que possa estar ligado ao ato de melhorar a capacidade de vender.

Com o intuito de aumentar a motivação dos profissionais de vendas, no decorrer destas reuniões deve ser feito o reconhecimento público do sucesso de membros da equipa que o mereçam (se for o caso). Se é para chamar a atenção, pelo não cumprimento de objetivos, então deve ser marcada uma hora específica com esse vendedor, de forma separada onde seja possível avaliar e rever os objetivos pessoais deles.

Memória futura: não esqueça de tomar notas e pontos de ação acordados na reunião. No final da mesma envie esse resumo para todos os intervenientes ou envolvidos nos pontos de ação. Não esqueça de colocar responsáveis e a data prevista de término de cada ponto de ação, assim assegura as expectativas de todos e tem maior controlo sobre o resultado final.

As reuniões de vendedores devem ser uma fonte de prazer e motivação e não de medo!

Boas vendas.

www.exceder.pt